Evidencia Psicométrica del Inventario de Sexismo Ambivalente (ISA) en una muestra de Adolescentes

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.29344/2318650X.2.3365

Palabras clave:

medida, sexismo, prejuicio, adolescentes

Resumen

El presente estudio buscó encontrar evidencias de validez del Inventario de Sexismo Ambivalente (ISA) para su aplicación en adolescentes. Para ello, se realizó un estudio psicométrico, realizado a través de una encuesta online, en el que participaron 486 adolescentes de diferentes perfiles sociodemográficos, con edades comprendidas entre los 14 y los 23 años. Se realizó un análisis factorial confirmatorio para obtener evidencias de validez de constructo y pruebas bivariadas para indicar evidencia de validez de criterio y convergencia. Los resultados fueron satisfactorios, ya que la escala mostró propiedades psicométricas adecuadas para su uso con adolescentes.

Biografía del autor/a

Erica Karine Santana Santos, Universidade Federal de Sergipe

Mestra e Doutoranda em Psicologia pela Universidade Federal de Sergipe. E-mail: ericakarine.psi@gmail.com

Elder Cerqueira-Santos, Universidade Federal de Sergipe

Pós-Doutorado pela University of Toronto (Canada), Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul / University of Nebraska - USA e Professor do PPG de Psicologia da Universidade Federal de Sergipe. E-mail: eldercerqueira@gmail.com

Mozer de Miranda Ramos, Universidade Federal de Sergipe

Mestre e Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal de Sergipe. E-mail: mozeramos@yahoo.com.br

Citas

Alves, P. P., Lima, R. S. D., Silva, E. R. A. D., Ferreira, H., Pimentel, A., Barros, B., ... & Sobral, I. (2020). Atlas da violência 2020. DOI: https://dx.doi.org/10.38116.riatlasdaviolencia2020

Barufaldi, L. A., Souto, R. M. C. V., Correia, R. S. D. B., Montenegro, M. D. M. S., Pinto, I. V., Silva, M. M. A. D., & Lima, C. M. D. (2017). Violência de gênero: comparação da mortalidade por agressão em mulheres com e sem notificação prévia de violência. Ciência & saúde coletiva, 22, 2929-2938.

Brown, T. A. (2006). Confirmatory Factor Analysis for Applied Research. New York, NY: The Guilford Press. (DOI INEXISTENTE)

Cerqueira, A. B., Souza, P. C. M. D., & Jesus Junior, G. D. (2013). Violência Simbólica: Mulheres machistas e a reprodução da cultura de dominação masculina. X Colóquio do Museu Pedagógico.

Conselho Nacional de Saúde. (2012). Resolução nº 466/2012 – Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasil: Ministério da Saúde, Brasília, DF.

Conselho Nacional de Saúde. (2016). Resolução nº 510/2016 – Dispõe sobre a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. Brasil: Ministério da Saúde, Brasília, DF.

Costa, A. B., Peroni, R. O., de Camargo, E. S., Pasley, A., & Nardi, H. C. (2015). Prejudice toward gender and sexual diversity in a Brazilian Public University: prevalence, awareness, and the effects of education. Sexuality Research and Social Policy, 12(4), 261-272.

Costa, A. B., Catelan, R. F., Araujo, C. L. D., Silva, J. P. D., Koller, S. H., & Nardi, H. C. (2017). Efeito de configuração no apoio ao casamento de pessoas do mesmo sexo em universitários brasileiros. Psico (Porto Alegre), 48(2), 99-108.

Duckitt, J., & Sibley, C. G. (2007). Right wing authoritarianism, social dominance orientation and the dimensions of generalized prejudice. European Journal of Personality, 21(2), 113–130. doi:10.1002/per.614

Formiga, N. (2015). Evidência psicométrica de um modelo fatorial-conceitual concorrente do Inventário de Sexismo Ambivalente em brasileiros. REVISTA DE PSICOLOGÍA/Journal of Psychology, 17(1), 9-20.

Formiga, N. S. (2006). Consistência mensurável do sexismo ambivalente no contexto brasileiro. Psicologia. com. pt.

Formiga, N. S., Araújo, T. T., & Cavalcante, C. P. (2007). A manutenção da discriminação feminina no contexto brasileiro: um estudo sobre a fidedignidade do sexismo ambivalente. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 7(1), 59-70.

Formiga, N. S., Fachini, A. C., Curado, F., & Teixeira, J. (2017). As duas faces do preconceito feminino: Análise do inventário de sexismo ambivalente em homens brasileiros. Psicologia Argumento, 23(41), 57-63.

Formiga, N. S., Golveia, V. V., & Santos, M. N. D. (2002). Inventário de sexismo ambivalente: Sua adaptação e relação com o gênero. Psicologia em estudo, 7(1), 103-111. doi: 10.1590/S1413-73722002000100013

Gaspodini, I. B., Formiga, N. S., & Falcke, D. (2019). Evidência Psicométrica da Estrutura Fatorial do Sexismo Ambivalente em Profissionais de Psicologia do Brasil. Actualidades en Psicología, 33(127), 21-36.

Glick, P., & Fiske, S. T. (1996). The Ambivalent Sexism Inventoy: Differentiating hostile and benevolent sexism. Journal of Personality and Social Psychology, 70(3), 491-512. doi: 10.1037/0022-3514.70.3.491

Ho, A. K., Sidanius, J., Kteily, N., Sheehy-Skeffington, J., Pratto, F., Henkel, K. E., ... & Stewart, A. L. (2015). The nature of social dominance orientation: Theorizing and measuring preferences for intergroup inequality using the new SDO₇ scale. Journal of Personality and Social Psychology, 109(6), 1003. doi: 10.1037/pspi0000033.supp

Janos Uribe, E., & Espinosa Pezzia, A. (2018). Sexismo ambivalente e sua relação com a aceitação de mitos sobre a violência sexual em uma amostra de Lima. Journal of Psychological Research, (19), 61-74.

Maiato, A. M., & de Carvalho, F. A. H. (2020). Os estereótipos de gênero relacionados à dimensão profissional nas representações dos/as estudantes adolescentes. Revista Thema, 17(2), 509-523.

Meneghel, SN, & Margarites, AF (2017). Feminicídios em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil: as iniquidades de gênero até a morte. Cadernos de Saúde Pública, 33, e00168516.

Mesquita Filho, M., Eufrásio, C., & Batista, M. A. (2011). Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, 20(3), 554-567.

Minayo, M. C. D. S., & Souza, E. R. D. (1997). Violência e saúde como um campo interdisciplinar e de ação coletiva. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 4(3), 513-531.

Odalia, N. (2017). O que é violência. Brasiliense.

Pratto, F., Sidanius, J., & Levin, S. (2006). Social dominance theory and the dynamics of intergroup relations: Taking stock and looking forward. European Review of Social Psychology, 17(1), 271–320. doi:10.1080/10463280601055772

Pereira, A. S., & de Oliveira, E. M. B. (2016). Brincadeiras de meninos e meninas: cenas de gênero na educação infantil. Reflexão e Ação, 24(1), 273-288.

Pinto, É. J. S., Amorim, V. G., Barbosa, P. V., & de Carvalho, M. E. P. (2019). Mulher e Física: Uma trajetória de sucesso. Universidade Federal da Paraíba. Revista Temas em Educação, 28(1), 100.

Santos, F. M. S. (2019). Amor romântico, ideais e a satisfação nos relacionamentos amorosos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/30811/1/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20-%20Felipe%20M%20S%20Santos.pdf

Sales-Oliveira, C., Villas-Boas, S., & Las-Heras, S. (2016). Estereótipos de género e sexismo em docentes do ensino superior. Revista iberoamericana de educación superior, 7(19), 22-41.

Sardenberg, C., & Tavares, M. S. (2016). Violência de gênero contra mulheres: suas diferentes faces e estratégias de enfrentamento e monitoramento. EDUFBA.

Schreiber, J. B., Stage, F. K., King, J., Nora, A., & Barlow, E. A. (2006). Reporting structural equation modeling and confirmatory factor analysis results: A review. The Journal of Educational Research, 99(6), 324-337. https://doi. org/10.3200/joer.99.6.323-338

Souza, J. H. (2016). As implicações do sexismo benévolo na afirmação de estereótipos femininos. Cadernos de Gênero e Diversidade, 2(1).

Viana, H. A., de Sousa, A. W. L., & Torres, A. R. R. (2018). Engenheiras e enfermeiros: estereótipos, discriminação e desafios de profissionais contranormativos. Interdisciplinar-Revista de Estudos em Língua e Literatura, 29.

Vilanova, F., Almeida-Segundo, D. S., Duarte, M. Q., & Costa, Â. B. (2020). Evidências de validade da Escala de Orientação à Dominância Social no Brasil. Manuscript submitted for publication.

Wheaton, B., Muthen, B., Alwin, D. F., & Summers, G. (1977). Assessing Reliability and Stability in Panel Models. Sociological Methodology, 8(1), 84-136. https://doi.org/10.2307/270754

World Health Organization [WHO]. (2011). Preventing early pregnancy and poor reproductive outcomes among adolescents in developing countries. Geneva: WHO. Retirado de http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/preventing_early_pregnancy/en/index.html

Descargas

269 vistas

Publicado

2023-01-13

Cómo citar

Santos, E. K. S. ., Cerqueira-Santos, E., & Ramos, M. de M. . (2023). Evidencia Psicométrica del Inventario de Sexismo Ambivalente (ISA) en una muestra de Adolescentes. Revista Sul-Americana De Psicologia, 10(2), 39–57. https://doi.org/10.29344/2318650X.2.3365