Expressão corporal em dança:

o corpo e suas possibilidades diante de sofrimentos psíquicos graves

  • Georgiano Joaquim Pereira Antonio dos Santos Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-7043-3624
  • Camila Nogueira de Sá Boaventura Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL)
Palabras clave: Salud Mental; Expresión Corporal; Talleres Terapéuticos; Sufrimiento Psíquico Severo; Centro de Atención Psicosocial (CAPS).

Resumen

Este artículo es un informe de una experiencia de pasantía, desarrollada en 2018, con usuarios de un Centro de Atención Psicosocial (CAPS-II) con enfermedad psicológica grave. Para esta intervención se utilizaron talleres de expresión de la danza como mediador terapéutico. Se trata de una investigación con abordaje cualitativo de carácter exploratorio, caracterizada como un estudio de caso y tiene como objetivo explicar y comprender el uso de los talleres de expresión corporal en la danza como mediadores terapéuticos que asisten en el tratamiento de personas con sufrimiento psicológico severo. En esta intervención participaron quince usuarios, de ambos sexos, con edades comprendidas entre los 20 y los 60 años, en un total de 14 reuniones. Para comprender el fenómeno se utilizaron como guía los aportes del psicoanalista Donald Woods Winnicott y otros autores contemporáneos. Se encontró que intervenciones como esta tienen el potencial de brindar a los usuarios formas de ser creativos, de autonomía, dada la condición de enfermedad en la que se encuentran.

Biografía del autor/a

Georgiano Joaquim Pereira Antonio dos Santos, Universidade de São Paulo

Psicólogo, Mestrando em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP). Universidade de São Paulo (USP) – Brasil. Contacto: georgiano@usp.br

Camila Nogueira de Sá Boaventura, Centro Universitário Salesiano de São Paulo (UNISAL)

Mestrado em Desenvolvimento Humano. Psicanalista pelo Instituto Sedes Sapientiae- SP através do GETEP. Especialização em Psicologia Clínica Psicanalítica e Psicossomática e Psicopatologias Contemporâneas. Experiência Profissional em Saúde Mental- CAPS, mediante aprovação em concurso público. Atualmente é docente no Curso de Psicologia do Centro Universitário de Itajubá- Fepi, nas disciplinas de Teorias da Personalidade I, Teorias e Técnicas Psicoterápicas Psicanalíticas e supervisora do estágio de Psicoterapia Individual Adulto na Abordagem Psicanalítica. Também docente no Centro Universitário Salesiano São Paulo U. E. Lorena nas disciplinas de Teorias e Sistemas Psicológicos Psicodinâmicos, Psicologia Clínica de Grupo II, Psicologia Hospitalar I e II e supervisora em Psicodiagnóstico e Psicologia Hospitalar. Nesta mesma instituição ministra aulas em cursos de Pós- graduação na área de clínica psicanalítica nos módulos sobre D. W. Winnicott e Psicossomática. Atua em consultório particular desde 2006.

Citas

Andrade F. L.; Coimbra, M. A. R; Carbinato, M. V; Miranzi, M. A. S; Pedrosa, L. A. K. (2015). Promoção da saúde: benefícios através da dança. Revista Família, ciclos de vida e saúde no contexto social, 3(3), 228-234.

Bleger, J. (1984). Psico-higiene e Psicologia Institucional. Porto Alegre: Artes Médicas.

Brasil. (2004). Residências terapêuticas: o que são, para que servem. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2005). Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2009). Diretrizes do NASF - Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Brasília: Ministério da Saúde.

Brun, A. (2019). Especificidades da simbolização nas mediações terapêuticas, a partir da clínica da psicose e dos autismos. Revista Percurso, 1(63). Recuperado de https://bityli.com/rRxBH.

Carvalho Junior, A. C. N.; Amparo, D. M. & Nogueira, R. N. (2019). O Grupo de Escuta como um dispositivo clínico em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS II). Psicologia Clínica, 31(1), 123-143.

Costa, I. I. (2006). Adolescência e primeira crise psicótica: Problematizando a continuidade entre o sofrimento normal e o psíquico grave. In II Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e VIII Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. São Paulo: Pulsional.

CREPOP. (2013). Referências técnicas para atuação da Psicólogas(o) no CAPS – Centro de Atenção Psicossocial. Brasília: Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Dias, E. O. (2014). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. 3 ed. São Paulo: DWW Editorial.

Dutra, V. F. D.; Bossato, H. R. & Oliveira, R. M. P. (2017). Mediar a autonomia: um cuidado essencial em saúde mental. Esc. Anna Nery, 21(3), 1-8.

Foucault, M. (2019). A história da Loucura. São Paulo: Perspectiva, ed. 11.

Fulgencio, L. (2016). Por que Winnicott?. São Paulo: Zagodoni.

Gil, A. C. (2019). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, ed. 7.

Goffman, E. (2019). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, ed. 9.

Jogsgrilberg, F. P. (2006). O lugar do corpo na psicanálise de Winnicott. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo.

Laplanche, J.; Pontalis J. B. (1991). Vocabulário de Psicanálise. São Paulo: Martins Fontes.

Lima, M. V & Guimarães, S. M. (2014). Possibilidades terapêuticas do dançar. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 6(14), 98-127.

Nascimento, S. S. (2012). Autonomia na Saúde mental: uma perspectiva dos profissionais de CAPS de Aracaju/SE. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva (ISC), Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Phillips, A. (2013). Winnicott. Aparecida- SP: Ideias e Letras.

Pino, M. A. P. (2015). Do squiggle game ao pictograma grupal: a especificidade das cadeias associativas grupais. Jornal de Psicanálise, 48(88), 131-142.

Santos, F. S. (2019) A dança enquanto recurso psicoterápico provedora de mudanças biopsicossociais. Revista Psicologia & Saberes, 8(11), 350-359.

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott. D.W. (1983). Classificação: existe uma contribuição psicanalítica à classificação psiquiátrica?. In O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 114-127). Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D. W. (1983). A integração do ego no desenvolvimento da criança. In O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional (pp. 55-61). Porto Alegre: Artmed.

Winiccott, D. W. (1990). Natureza Humano. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott D. W. (2013). O primeiro ano de vida. In A família e o desenvolvimento individual (pp. 3-20). São Paulo: Martins Fontes.

50 vistas
Publicado
2021-01-04
Cómo citar
dos Santos, G. J. P. A., & Sá Boaventura, C. N. de. (2021). Expressão corporal em dança:. Revista Sul-Americana De Psicologia, 8(2), 105-122. https://doi.org/10.29344/2318650X.2.2216